Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Smuts (1880-1953), filósofo, general e estadista sul-africano. Destacou-se também como um dos pioneiros do movimento Apartheid. Desenvolveu o conceito de Holon, o todo e as partes. 

É Pierre Weill que afirma: “A visão Holística busca dissolver toda a espécie de reducionismo: o somático, o científico, o religioso, o niilista, o materialista ou substancialista, o mecanicista, o antropomórfico, entre outros.”

A visão holística, postulada desde 1980 pela psicóloga francesa Monique Thoening, é produto de um saber e experienciar o novo paradigma holístico.

Somos educados para a fragmentação, a unilateralidade de visão que na nossa cultura racional, denominamos especialização.

Estamos divididos, compartimentalizados, esfacelados.

É por essas divisões que estamos pagando.

A visão holística e integral é a nova consciência para a humanidade tornar-se mais humana.

O HOLISMO não é um amontoado de coisas juntas, muito menos um lugar onde se reúnem as coisas que não tem lugar para serem reunidas.

É uma relação de consciência da realidade. Não fragmentada, mas unificada pela dinâmica do interno e externo, da parte e do todo.

O todo é qualitativamente diferente que a soma das suas partes.

“Uma rosa é uma rosa; mas uma rosa que eu vi,

Não é mais uma rosa; mas uma rosa vista por mim;

Ela traz a marca que eu pus nela.”

(Fritz Perls)

A fragmentação inicia dentro, nos pares, em pequenos grupos, nas famílias, nas religiões, na política, nas culturas… pelo motivo de não aceitarmos que o outro , que é semelhante mas não é igual, pense diferente de nós.

Pri Guida

Referência: *Fragmentos de Cultura, Goiânia, v16, n.4, p 555-556, abr. 2006

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *