Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Os montes de oliveiras é algo que encanta nessa região da Toscana. São árvores consideradas símbolos da eternidade e de resistência. Podem viver por séculos e produzindo seus frutos.

As cores das folhas são especialmente belas com um verde oliva na parte superior e um verde mais prateado na parte inferior o que confere um tom diferenciado nos verdes das colinas.

ORIGEM

O azeite extraído dos frutos é usado para a culinária e muito amplamente de forma terapêutica.

Pertence à família das oleáceas e são nativas da parte oriental do mar Mediterrâneo, bem como do norte do atual Irã no extremo sul do mar Cáspio.

É cultivada há mais de 8000 anos e encontramos na Europa árvores de mais de 2000 anos.

UM POUCO DE SUA HISTÓRIA

Quando os deuses gregos disputaram a região da Ática, a deusa Atena ofereceu uma pequena oliveira e disse:

“Esse arbusto crescerá e se tornará uma grande árvore que dará frutos por centenas de anos. De seus frutos poderá se extrair um óleo que servirá tanto para alimentação quanto para curar males, limpar o corpo ou iluminar a noite. E usou o óleo para curar os feridos”.

Coroas de folhas de oliveiras eram colocadas nos vencedores dos jogos olímpicos na Grécia Antiga.

O Jardim do Getsêmani, por sua vez, se localiza ao sopé do Monte das Oliveiras, onde Jesus foi com seus discípulos após a Última Ceia.

O seu nome, do aramaico Gat Shmānê, significa “prensa de azeite”: era um horto em que se extraía o azeite a partir do fruto das oliveiras abundantes na região.

Maria Madalena preparava unguento para os pés de Jesus a base de óleo de oliva e ervas aromáticas.

Os mesopotâmicos usavam o óleo no corpo para se proteger do frio há mais de 6000 anos.

PROPRIEDADES

O ácido graxo oléico, seu principal componente, confere ao óleo suas propriedades organolépticas (cor, textura, odor).

Muito usado como carreador (veículo para misturas), tem alto potencial de regeneração da pele, é anti inflamatório, auxilia na absorção de vitaminas, tem ação antioxidante, colabora para o controle do colesterol, é fonte de vitamina E.

Existe uma relação entre as propriedades das plantas no seu ambiente natural, o que ela pode nos beneficiar e a sua história. A Oliveira sem dúvida é a árvore da longevidade, do autocuidado.

Pri Guida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *