Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A Primeira a florir antes mesmo de chegar a primavera. A relação dela com o feminino é especial quando se observa a planta e faz uso do seu óleo. Delicada, foi assim chamada por ser a primeira das flores a embelezar os jardins e vasos ainda enquanto o inverno reinava. Ela lembrava que as cores em breve chegariam e os corações em breve estariam mais quentes.

A propriedade mais conhecida do óleo de Prímula e onde se encontra o maior número de estudos é o equilíbrio hormonal, TPM, menopausa e todas as suas consequências (cólicas, irritação, edemas).

Ele é extraído das sementes da planta Oenothera biennis (Onagraceae).
O óleo de prímula é um suprassumo da medicina indígena e é rico em ácidos graxos essenciais e gorduras boas. Auxilia no controle dos níveis de colesterol, a hidratação da pele e a redução da pressão arterial, é emoliente, antioxidante, analgésico, anti-inflamatório, indicado para tratamento de hiperatividade, déficit de atenção, fadiga crônica.

Falando da beleza da planta, quem olha suas pétalas deve imaginar os benefícios que traz para a pele. Hidrata, aumenta a elasticidade, tonifica, regula a oleosidade e aumenta o brilho.
Geralmente usado em cremes hidratantes, em cápsulas para uso oral e em infusões (nesse caso também auxilia na diminuição do estresse já que é levemente calmante). .

Suas pétalas são comestíveis e apresentam um sabor adocicado e suave, incrementando refinados pratos culinários.

Priscila Guida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *