O príncipe furacão e a princesa calmaria

Começou como uma brisa leve, o Príncipe enviou uma carta à Princesa, dizendo que havia muito tempo ela aparecia em seus sonhos…

Ele, um dia, chegou sem avisar, bateu na porta do seu castelo, e pediu para ser seu amigo. A Princesa o achou interessante, e resolveu aceitar.

Ela achou aquela atitude um pouco invasiva, mas as conversas fluíram e ele tinha muito senso de humor, era inteligente e cativante. Ele a fez dar risada, a tocou.

De lá a conversa evolui e cada vez mais ele se mostrou irreverente, com muita atitude e foi cativando pouco a pouco o coração da princesa.

Começaram a namorar e, mais uma vez, ele a surpreendeu. A brisa se transformou em vento. Ele a conquistou, com seu jeito alegre e espontâneo, cheio de vida e histórias para contar. Gentil, atencioso, educado.

Alguns anos mais novo e talvez por isso a impressionou ainda mais, tinha maturidade e segurança, apesar de ser relativamente jovem.

Eles viveram momentos intensos e prazerosos, o cheiro, o gosto, a pele, o arrepio, parecia que tudo encaixava. Já era uma ventania…

Só não encaixavam os momentos, infelizmente. Ele estava pronto a ter um relacionamento sério, ter uma companheira, uma parceira, juntar os filhos, e estava disposto a fazer isso com ela.

Ela não podia, não estava disponível, estava em um momento delicado de sua vida, ele não cabia nos seus tantos problemas, não seria justo incluí-lo na montanha russa que ela estava vivendo, simplesmente porque alguém poderia sair muito machucado.

Então, eles disseram Adeus um ao outro, um Adeus de algo que poderia ter acontecido, de algo que poderia ter sido vivido, de algo que, com certeza, teria carinho, teria amor, teria empatia, teria compreensão. Teria…, mas não teve, pois não aconteceu.

Foi uma questão de momento, momentos que não se encontraram, momentos que não estavam sincronizados.

Ficou um clima de festa cancelada, de vôo perdido, de sonho abortado.

Ficou um clima de ternura, de carinho, com um gosto de quero mais, mas não dava, não cabia, não encaixava, não sintonizava.

Aquela leve brisa inicial havia se transformado em um Furacão! O Príncipe Furacão passou na vida da Princesa, lhe bagunçou os cabelos, lhe deixou de pernas bambas, lhe tocou o coração e encheu sua cabeça…

Furacão é intenso, avassalador, mas é rápido. E não passa sem deixar um rastro. Deixou nela um rastro de amor, de ternura e de carinho.

Ele a deixou destroçada, mas ainda assim ela preferiu lamentar a perda de alguém que conheceu, a nunca ter tido a chance de conhecer.

Então, ela agradeceu por ele ter passado por sua vida, e ter deixado seu rastro.  Pra sempre, em seu coração.